Home
Quem Somos Contato O Anel
-

segunda-feira, maio 17, 2010

“Leap into the Void”

Essa imagem se chama "Leap into the Void" e português o nome completo da obra seria "Salto no vazio: um homem no espaço! ou pintor do espaço se joga no vazio!", uma fotomontagem feita nos anos 60 construida e protagonizada - por Yves Klein. 

Antes de saltar ao vazio, Yves compôs uma sinfonia que chamaríamos de monotônica, pintou telas monocromáticas usando uma tonalidade de azul feita por ele, soltou (mil e um balões) do azul q ele mesmo criou pelo céu de "Saint Germain des Prés" no que chamou de "escultura aerostática", e fez outras coisas como vender espaços vazios por ouro que depois jogou nas águas do rio Sena. 

Muito mais do que o (azul-klein) a cor que o imortalizou, a imagem que resume melhor sua curta carreira, Klein morre de infarto fulminante aos 32 é impressa nessa foto.

Seu mergulho de fé no inexistente no imaterial
profetiza nossa contemporaneidade cinquenta anos antes. Além de antecipar a instalação e a performance como formas de arte, Klein nos antecipou o vazio prevendo um mundo onde espíritos sem fronteiras existem livres de forma, objetos levitam e seres humanos viajam livres do seu próprio corpo. Ele preconiza a virtualidade total. 

Hoje vejo em Klein, um homem fora do tempo, e na sua estética da desaparição não porque eu mesmo faça planos diários de sumir como um personagem de ALICE, mas porque passei a tarde muito ao orkut, recebendo sugestões de amigos que desconheço sobre o que escrever ou não. Para os viciados nessa "modalidade" é uma Ilha de Caras Virtual, onde as celebridades em povoam nosso planeta organizam sua vida social, estampam fotografias e fazem a fila para seus futuros parceiros sexuais ou afetivos. 

Não sou contra, tenho o meu. O que me maltrata é o desfile de personagens de-si mesmos em sites como esse. Klein estava certo: espíritos sem fronteiras, seres humanos viajando livres do corpo, objetos levitando etc. Como diria Klein: "vida longa ao imaterial!" O vazio está aí -mais do que nunca esteve. Só nos resta aprender a dançar com ele.

Nenhum comentário: