Home
Quem Somos Contato O Anel
-

segunda-feira, maio 18, 2009

A/C Anônima (Tudo que Você podia ser)

Um anônimo comentou no post anterior:

Cambalhota, acho que você mudou muito. Será a superação do fim do seu casamento ? Te acompanho desde o começo. Me desculpa ser tão franca, mas acho q você ficou muito metido, tem até Twitter. Parece que você quer só aparecer, você não faz mais musica como antes, não fala de estrelas como antes e nem posta mais no As Coisas estão no Mundo só que eu Preciso Aprender, e quando toca sua musica nem nos comove e nem mesmo interessantes tanto quanto antes.


Acho importante responder aqui:


Anônima,

Obrigado por sua tentativa de franqueza, mas acho que você teria sido de fato franca se assinasse o seu comentário. Ainda assim, também francamente, convido você a algumas reflexões.

Você tem razão, eu mudei muito. Ainda bem. Imagine se eu tivesse ficado preso no fim do meu casamento a quase 6 meses atrás.

Diante de uma dor que eu pensei que fosse me consumir por anos a fio, tentei encontrar caminhos. Minha musica foi um deles. Elas nasceram naturalmente e foram muito importantes para que eu elaborasse o meu luto e pudesse seguir em frente.

A repercussão de tudo isso me surpreendeu muito. E me alegrou, sim. Tudo isso foi fundamental para que eu encontrasse novos caminhos pra ser feliz.

E a minha musica ou meu jeito de tocar ou escrever, que não mais comove você, provavelmente não o faz por não ter mais a tristeza como essência.

Continuo tocando e escrevendo, não para ter mais ouvinte e leitores, mas para exercitar o possível som que existe em mim. Se esse caminho me levará a outras musicas, a uma nova forma de escrever, não sei. Mas tenho uma certeza: a de que passou o tempo de compor ou escrever só sobre a perda. Porque passou mesmo. Não teria sentido ficar meses escrevendo sobre um sentimento que eu consegui deixar para trás, apenas com o intuito de comover pessoas.

Ainda assim, acredito que muito do que escrevo ou toco ainda é capaz de comover. Mas não estou comprometido com esse efeito. Escrevo sincero e francamente, e apenas quando me vem a necessidade de expressar. Com essa autenticidade, sim, eu me comprometo.

Se você ouvir as musicas que fiz do início ao fim, vai perceber claramente um caminho. E esse caminho muito me orgulha. Consegui, com a ajuda dos meus amigos, pastores e da minha família, vencer o sofrimento da perda e me desvencilhar da teia que me enredou. Consegui amar de novo, sonhar de novo, desenhar novas perspectivas e me alegrar com elas.

Talvez você enxergue essa cabeça erguida como convencimento ou pretensão. Compreendo. É irresistível julgar os outros, principalmente quando nunca estivemos no lugar deles. É provável que eu também tenha feito um julgamento ao ler o seu comentário. E talvez, no seu lugar, assistindo a essa mudança, eu tivesse a mesma impressão sobre quem escreve este blog.

Ao longo desse tempo, infelizmente, percebi que muitas pessoas que estavam à minha volta nos dias seguintes ao fim do meu casamento se afastaram de mim quando tudo entrou nos eixos. Até mesmo algumas pessoas próximas parecem não ter dado conta. Acho que incomodei e continuo incomodando porque troquei a tristeza por uma alegria exuberante ao ver como a vida pode nos dar coisas lindas depois de nos tirar outras tantas.

Entendi há pouco o sentido da frase que diz que "o mineiro só é solidário no câncer". As pessoas têm mais dificuldade de nos ver alegres, em evidência, chamando atenção. Não estão tão preparadas para isso quanto estão para nos ajudar no meio da tragédia.

Esse aprendizado foi o mais duro. Entender que, ao contrário do que sempre pensamos, é nos momentos felizes que sabemos quais são os nossos verdadeiros amigos: aqueles que, além de ajudar, se contentam ainda mais com a nossa felicidade e continuam perto de nós, independente do nosso estado de espírito.

Se você conviver comigo (sabe-se lá se já não convive), saberá que aparecer não é o meu objetivo, como também não quero e nem preciso me esconder. Saberá também que tenho satisfação em falar das coisas boas que esse período produziu, dos caminhos que a vida mostrou de forma tão surpreendente, e principalmente do que aprendi com tudo isso. Saberá que uma das minhas principais satisfações é poder passar esse aprendizado pra frente.

Dizem que sabedoria é aprender com a experiência dos outros. Eu raramente consigo. Mas posso dizer que consegui aprender muito com essa minha experiência de dor e alegria, assim como aprendo com o seu comentário.

Talvez a minha musica ainda que precaria não a emocione mais porque estou feliz e sereno. Talvez você se incomode com o fato de eu não postar com a antiga frequência – porque realmente não tenho mais a necessidade de escrever que existia antes. E porque você provavelmente faz parte do grupo que odeia me ver postando no meu Twitter, preferindo a vir aqui e tentar fazer desse blog uma tragédia poética do fim do meu casamento.

Eu não. Ao olhar para trás e ver tudo o que passei, tudo o que ganhei, todo o caminho que percorri, sorrio, sim. Mas também me comovo e acho tudo isso muito bonito. E sei que sou pequeno diante da força do que tinha que acontecer.

Se você soubesse o verdadeiro significado que isso tudo tem para mim, talvez tivesse outra opinião. De qualquer forma, agradeço a sua coragem de falar o que muitos devem pensar, mas não dizem. Agradeço também pela delicadeza (de verdade) com que postou sua crítica. E desejo a você tudo de bom nessa vida, de coração.





3 comentários:

Yuri Steinhoff disse...

Falae...

Conseguir ler as entrelinhas da vida não é tarefa que todos realizam e/ou conseguem... Enxergar um propósito superior às nossas inverdades e fraquezas, nem se fale então!
Então resta-nos olharmos aos outros com a lente da nossa verdade, pois o olhar cristão somente se esbarra em nossos olhos enevoados...

Que o Shalom seja contigo, na impossibilidade, começa com a PAX!

bjos!

E continue a transformar-se! Esvazie-se mesmo, pois só assim dá pra encher de novo!!!!

Monica Joy Freire disse...

que osso hein amigo....

mas olha ai meu comentário.Nao consegui postar... mas se vc quiser, fique livre para tal.

é camba.. ainda bem que não precisamos viver dependendo do que os outros pensam de nós. O que vale são os frutos. E você tem sido um presente para nós e tem dado muito fruto. Sabemos que Deus é o Senhor de todas as coisas, e que é Ele que transforma a tristeza em alegria. Pessoalmente, espero que a crueldade gospel um dia acabe, e que as pessoas possam viver felizes com a cura dos outros, e parem de se alimentar das tragédias dos outros. Eu conheço bem, amigo, o que é ser julgado pelas "aflições" existentes no mundo, que muitos de nossa irmandade teimam em desprezar. ah outra coisa... se é que ser feliz é ser metido! uauuuuu... sejamos metidos entao! rsrsrsrs.... é isso.
Monica.

DONATA disse...

eh denis..

haja paciencia para um turbilhao de comentários..

mas.. sabe, assim como "todas as coisas cooperam para o bem daqueles q amam a Deus", esse tipo de comentário só vem a acrescentar em nossa vida!

graças a Deus, q é uma "mera opiniao". É apenas um "olhar externo", já que a GRANDE MUDANÇA aconteceu ai dentro, e somente DEUS sabe a faxina q foi feita, pois hoje podemos ver os frutos de tamanha mudança!!

assim como a palavra diz, "Aquele que LEVA A PRECIOSA SEMENTE, andando e chorando, voltará, SEM DÚVIDA, COM ALEGRIA, trazendo consigo os seus molhos."
(Sal. 126: 6).. e é isso q vejo em sua vida... essa palavra é realmente uma verdade em sua vida.. pq mesmo em tempos difíceis, vc nao deixou o IDE de Jesus.. e continuou a semear.. e hj Deus tem te conduzido a lugares q jamais pensou em ir, e desfrutado de momentos tao felizes, q jamais pensou em ter...

agradeço a Deus por ter participado de alguns desses momentos, podendo ver REALMENTE o DENIS.. o Denis SERVO, o Denis AMIGO, o Denis totalmente disposto a servir o Senhor, independente da circunstancia!!

e SINCERAMENTE.... graças a Deus q vc mudou... graças a Deus q temos a oportunidade de mudar... e mais ainda... graças a Deus, q qdo tocamos, ou "cantamos" algo, nosso objetivo nao é TOCAR nas pessoas.. mas tocar o CORAÇAO DE DEUS... e para isso não há "regua espiritual", capaz de "mensurar o grau de intimidade" com PAPAI!!

graças a Deus, não cabe a nós COMOVER pessoas, pq ministrar nao é TEATRO.. quem quer EMOçÂO vai ao cinema, ao teatro.... quem quer JESUS nao precisa de EMOÇAO para MOVER, mas NECESSITA de INTIMIDADE e SINCERIDADE para tal!!

continue INTIMO e SINCERO com Deus, pq é a ELE quem devemos "satisfaçao"... o resto... é RESTO!! rsrsrs

vc mora no meu core "kiridu" rsrsrs

bjinhu...